28 ℃

Gregório José

O PULSO ECONÔMICO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS EM 2024

Sex, 21 Junho de 2024 | Fonte: Gregório José


Ao atravessarmos o calendário de 2024, o cenário econômico do Brasil apresenta sinais claros de um gradual, mas constante, processo de recuperação. Um estudo recente da IPC Maps nos revela que as famílias brasileiras deverão gastar cerca de R$ 7,3 trilhões em bens de consumo ao longo deste ano, um aumento real de 2,5% em relação a 2023.

Antes da pandemia, a economia brasileira avançava a passos lentos, com uma média de 1% ao ano. A partir de 2020, enfrentamos uma das maiores crises sanitárias e econômicas da nossa história.

A IPC Maps, com sua expertise de três décadas em monitorar o potencial de consumo do país, nos traz insights valiosos sobre onde e como esse dinheiro está sendo gasto. Um dos pontos destacados é o aumento no número de novas empresas, com quase 2 milhões de unidades abertas recentemente em setores como indústria, serviços, comércio e agronegócio.

Um dos fatores que contribui para esse fenômeno é a escalada do home-office. Esse movimento tem impulsionado o crescimento empresarial, que agora responde por 54,94% do mercado consumidor, em detrimento das regiões metropolitanas e capitais.

Mas nem tudo são flores no jardim econômico. As recentes enchentes no Rio Grande do Sul, que devastaram municípios e afetaram milhões de pessoas, lançam uma sombra de incerteza sobre o desempenho econômico da Região Sul nos próximos meses. Essas catástrofes naturais são um lembrete sombrio de que a recuperação econômica está sempre à mercê das forças imprevisíveis da natureza.

Quando olhamos para os hábitos de consumo, é evidente que a mobilidade pessoal tem sido uma prioridade crescente. Desde o início da pandemia, a despesa com veículos próprios tem subido consistentemente, agora abocanhando 12,5% do orçamento familiar. Esse comportamento é alimentado pela demanda crescente por transportes via aplicativos e entregas, refletindo uma mudança nas necessidades e preferências dos consumidores.

Em termos de distribuição de consumo, a classe B2 continua sendo a locomotiva econômica do país, responsável por uma parte significativa dos gastos totais. Enquanto isso, a classe A, embora representando apenas uma pequena fração das famílias, tem ampliado seu impacto econômico, consumindo quase R$ 1 trilhão.

A análise regional mostra que o Sudeste ainda lidera o consumo nacional, seguido de perto pelo Sul e Nordeste. No entanto, o que mais chama a atenção é a dinâmica do consumo no interior, que continua a ganhar terreno frente às grandes metrópoles.

E, à medida que traçamos o perfil empresarial, o predomínio das microempresas individuais (MEIs) destaca a resiliência e a adaptabilidade do empreendedor brasileiro. Com mais de 14 milhões de MEIs, é claro que o espírito empreendedor está vivo e pulsante em cada canto do país.

Olhando para o futuro, a resiliência e o dinamismo dos brasileiros serão, sem dúvida, as forças motrizes que continuarão a moldar e a impulsionar nosso cenário econômico.

Correio de Corumbá

SIGA-NOS NO Correio de Corumbá no Google News

 
 
 

Veja Também

COMO O ATENTADO ACERTOU EM CHEIO A CAMPANHA DE BIDEN

Se há algo que nós, jornalistas, aprendemos ao longo dos anos, é que a política é uma eterna montanha-russa de surpresas. Mas, meus amigos, confesso que até ...

O IMPACTO DA INSTABILIDADE ECONÔMICA PARA O SETOR DA CONSTRUÇÃO

As nuances da economia brasileira, que frequentemente oscilam entre a esperança e a apreensão, atualmente inclinam-se para o lado mais sombrio, refletindo di...

SALVAÇÃO CLIMÁTICA OU “COMÉDIA DO ABSURDO”?

Quem diria, meus caros leitores, que o apocalipse climático seria combatido com pinceladas de tinta branca e fazendas verticais no meio das cidades? Não, iss...

VEM AÍ TAXAÇÃO SOBRE O “PUM” DO GADO

Senhoras e senhores, preparem seus narizes e carteiras, pois a Dinamarca acaba de anunciar a medida mais aromática e inovadora do século: um imposto sobre o ...