22 ℃

Geral

Mesmo depois de 25 anos de obrigatoriedade, não usar cinto de segurança continua no TOP 5 das infrações de trânsito

Em 2022 foram aplicadas quase três milhões de multas pelo não uso de cinto de segurança

Qui, 16 Março de 2023 | Fonte: Da Assessoria


Usar o cinto de segurança reduz o risco de morte de motoristas e passageiros dos bancos dianteiros entre 45% e 50% e o risco de morte e lesões graves de passageiros dos bancos traseiros em 25%. É o que explica a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS).

Mas dados da Secretaria Nacional de Trânsito (Senatran) mostram que o não uso do cinto de segurança está em 5º lugar entre as infrações mais registradas em 2022, resultando em 2.916.259 multas.

Segundo Luiz Gustavo Campos, diretor e especialista em trânsito da Perkons (empresa especializada em tecnologia para segurança e gestão integrada de tráfego), o cinto de segurança é um dispositivo essencial para proteger a vida e diminuir as consequências dos sinistros de trânsito. “Ele é um importante aliado, pois ajuda a impedir, em caso de colisão, que seu corpo se choque contra o volante, painel e para-brisas. É mais que sabido que o uso correto desse equipamento reduz significativamente o risco de morte de quem se envolve em ocorrências de trânsito”, comenta.

E o número expressivo de infrações no ano passado é realmente assustador, já que nenhum brasileiro pode dizer que desconhece a obrigatoriedade do uso do cinto de segurança, tendo em vista que ele passou a ser obrigatório em 23 de setembro de 1997, sancionado pela Lei nº 9.503, do Código de Trânsito Brasileiro. Segundo o artigo 167, a não utilização em vias urbanas e rodovias, é considerada infração grave, com multa de R$195,23 e cinco pontos na Carteira Nacional de Habilitação.

Uso em todas as situações

Todos sabemos da obrigatoriedade deste dispositivo, mas, muitas vezes, negligenciamos o seu uso em situações corriqueiras, como por exemplo, percorrer pequenas distâncias e estar sentado no banco traseiro. Para todos os casos é importante ressaltar que o não uso do cinto pode resultar em graves lesões ou projetar condutor e passageiro sem cinto para fora do veículo, causando danos irreparáveis.

Não faltam exemplos práticos e estudos sobre a importância e eficiência do cinto de segurança. Segundo a Abramet (Associação Brasileira de Medicina de Tráfego), o uso do cinto no banco da frente reduz em 45% as chances de lesões graves em sinistros e, no banco de trás, os passageiros ficam até 75% mais seguros (dados válidos para o cinto de 3 pontos).

“Como em quase tudo relacionado ao trânsito, educação e conscientização são primordiais e, porque não, vitais. Faça a sua parte sempre. Use cinto, respeite as leis e o próximo”, finaliza Campos.

Correio de Corumbá

SIGA-NOS NO Correio de Corumbá no Google News

 
 
 

Veja Também

Beneficiados do interior devem iniciar processo do CNH Social até dia 17

Os 176 contemplados, do interior de Mato Grosso do Sul, pelo programa CNH MS Social têm prazo até sexta-feira (17) para iniciar o processo para obter a habil...

Desenrola Pequenos Negócios renegociou R$ 19,4 milhões em dívidas em Mato Grosso do Sul

Mato Grosso do Sul registrou, até o dia 12 de junho, um volume total de R$ 19,4 milhões em contratos de clientes que renegociaram dívidas por meio do Desenro...

Justiça do Trabalho de Mato Grosso do Sul determina redução de jornada para trabalhador acompanhar filho com TEA

Um trabalhador de uma empresa pública federal em Dourados conseguiu reduzir sua jornada de trabalho em 50%, sem necessidade de compensação de horas ou perda ...

Últimas Notícias