24 ℃

Economia

Juros altos seguem como freio de mão da economia brasileira em 2023, avalia CNI

Desempenho da indústria ficará próximo da estabilidade neste ano, pressionado pela queda da confiança, demanda enfraquecida e dificuldades com crédito.

Qui, 13 Abril de 2023 | Fonte: Assessoria CNI


A economia brasileira terá uma expansão de 1,2% em 2023, após alta de 2,9% no ano passado. E a indústria vai crescer apenas 0,1%, ante alta de 1,6% em 2022. As previsões fazem parte do Informe Conjuntural – 1º Trimestre de 2023, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgado nesta quarta-feira, 12.

O presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, explica que “as taxas de juros elevadas vão continuar inibindo a atividade econômica, e por consequência a industrial, ao longo do ano”. Mesmo com a expectativa dos primeiros cortes começarem em agosto, a Selic será mantida em patamar elevado, com efeitos negativos sobre o crédito, os investimentos, o consumo e o comércio. A previsão da CNI é de que o Brasil encerre o ano com inflação em 6% e Selic 11,75%.

A economia brasileira sofre as consequências da falta de planejamento de longo prazo e da ausência de política industrial nos últimos trinta anos. “O Brasil não tem política industrial e, a indústria tem perdido fôlego sufocada por uma série de disfunções, principalmente no sistema tributário. Quando a indústria vai mal, o Brasil perde, porque é a indústria que paga os melhores salários, desenvolve tecnologia e inovação”, afirma Robson Andrade.

A expansão de 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro será financiada em grande parte pelo consumo das famílias, como ocorreu nos anos anteriores. Os dados apontam para o aumento da massa salarial ao longo do primeiro semestre, mas com expectativa de desaceleração do avanço do emprego. A perda de tração na atividade econômica neste ano também ocorre pela queda do ritmo de crescimento do setor de serviços.

PIB industrial terá expansão de 0,1% em 2023

A indústria ficará estagnada em 2023, com um crescimento pífio de 0,1%. A queda da confiança colocou os investimentos e as contratações em compasso de espera. Além disso, um dos principais problemas que preocupa o empresário industrial é o enfraquecimento da demanda, provado pelos juros altos, elevado grau de inadimplência e de endividamento das famílias.

O gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo, explica que a queda na demanda já é percebida na queda do faturamento da indústria. “Observamos a redução da demanda, não apenas do consumidor final, mas entre empresas, como menor consumo de insumos industriais e bens de capital, por exemplo”, explica o economista.

A indústria foi o segundo principal responsável pelo crescimento econômico em 2022. Neste ano, os dados mensais da produção física industrial, que contemplam a indústria de transformação e a extrativa, apontam que o desempenho fraco da atividade industrial deve se manter ao longo de 2023.

Concessões de crédito devem retrair em termos reais em 2023

As concessões de crédito vão desacelerar de forma significativa em 2023. Para as empresas, o crescimento acumulado entre março de 2022 e fevereiro de 2023 foi de 7,9% em termos reais, abaixo do crescimento acumulado dos 10,8% no mesmo período anterior.

Até o fim de 2023, o ritmo de crescimento deve diminuir fortemente e, em termos reais, deve haver retração de 1,9% das concessões de crédito. De acordo com o economista da CNI Marcelo Azevedo alguns fatores devem contribuir para que as concessões de crédito às empresas continuem desacelerando em 2023.

“Menor demanda por crédito, por causa do menor ritmo de crescimento da atividade econômica; taxa de inadimplência alta; aumento de provisões dos bancos e restrição no critério de concessão de crédito, inclusive em razão de eventos adversos de grandes empresas varejistas; e Selic ainda elevada, encarecendo o custo do crédito”, explica Azevedo.

Setor de serviços será penalizado pelos juros elevados, alta inadimplência e endividamento

A previsão de crescimento do PIB do setor de serviços é de 0,9% em 2023, incluindo o comércio. Ocorre que parte dos avanços ocorridos em 2022 recompuseram perdas sofridas durante a pandemia e, apesar de serem esperadas variações positivas em 2023, elas não devem acontecer na mesma intensidade de 2022.

Para 2023, é esperada continuidade do avanço dos serviços prestados às famílias, acompanhando a recuperação do mercado de trabalho, em particular do rendimento. Mas os serviços de transporte e de informação e comunicação não devem contar com novos impulsos.

No comércio, o alto grau de inadimplência e de endividamento das famílias e os efeitos restritivos da política monetária também são grandes desafios, dificilmente superados em 2023. Segundo o gerente de Análise Econômica da CNI, as previsões são de retração do volume de vendas, alinhado ao enfraquecimento da demanda.

PIB da agropecuária deve crescer 11,6% em 2023 

Agropecuária terá uma contribuição positiva para o crescimento do PIB. Para 2023, a previsão é de um crescimento de 11,6%, influenciado pela forte expansão da produção vegetal e pela normalização do forte avanço de custos de 2022.

Massa de rendimento deve crescer e sustentar o consumo das famílias

A massa de rendimento real deverá manter o elevado patamar ao longo de 2023, mas sem os fortes impulsos que caracterizaram 2022, como a recuperação das ocupações no pós-pandemia e forte queda da inflação para o rendimento. A previsão para o fim de 2023 é de uma massa de rendimento real apresente crescimento de 6,7% em relação 2022, sustentando o consumo das famílias.

“O elevado percentual de crescimento projetado para 2023 é consequência do baixo nível da massa de rendimento real no primeiro semestre de 2022, afetando a comparação com os valores esperados para 2023 que carregam os efeitos da forte recuperação observada no segundo semestre de 2022”, explica Azevedo.

Contas do setor público devem voltar ao campo negativo em 2023

O setor público consolidado – que engloba governos federal e regionais (estados e municípios) e suas estatais – deve voltar a ser deficitário em 2023, após apresentar superávits primários em 2021 e 2022. A piora fiscal é esperada tanto na esfera federal como na regional.

No lado das receitas do governo federal, o ano de 2023, diferentemente de 2022, não será marcado por arrecadações atípicas relacionadas a exploração de recursos naturais e privatizações. Adicionalmente, a desaceleração esperada na atividade econômica nos próximos meses também constitui risco para a dinâmica da arrecadação federal, que deve apresentar queda real em 2023.

O aumento das despesas e a queda das receitas devem levar o governo federal a registrar déficit primário de 1,0% do PIB, em 2023, contra superávit de 0,6% do PIB, em 2022.

Correio de Corumbá

SIGA-NOS NO Correio de Corumbá no Google News

 
 
 

Veja Também

Mercado financeiro eleva projeção da inflação de 5,48% para 5,74%

A previsão do mercado financeiro para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerada a inflação oficial do país, subiu de 5,48% para 5,7...

Para Longen, manutenção da Taxa Selic em 13,75% é preocupante para setor empresarial

O presidente da Fiems, Sérgio Longen, manifestou preocupação com a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, de manter a taxa básica...

Presidente da Febraban diz que taxa de juros "precisa cair"

Em participação no evento do Lide, o presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Isaac Sidney, afirmou a taxa básica de juros do Brasil, a Selic...

Copom mantém juros básicos da economia em 13,75% ao ano

Apesar da desaceleração da economia e das pressões de parte do governo, o Banco Central (BC) não mexeu nos juros. Por unanimidade, o Comitê de Política Monet...

Últimas Notícias