36 ℃

Caio Bruno

O QUE ESPERAR DO NOVO CONGRESSO?

Qua, 01 Fevereiro de 2023 | Fonte: Caio Bruno


A partir desta quarta-feira (1/2) os 513 deputados e 27 senadores eleitos em 2 de outubro de 2022 tomam posse e tem início a 57ª Legislatura do Poder Legislativo Federal. Os novos parlamentares, reeleitos ou não, chegam a uma Brasília com um novo presidente da República e sem a mesma configuração de poder e benesses de seus pares que encerraram agora os mandatos. Não há mais tanto poder do Centrão (por ora) e nem o chamado Orçamento Secreto, derrubado pelo STF em dezembro passado.

Mas o que o Governo Lula 3 e a sociedade podem esperar desse novo Congresso? Com certeza para o petista será um cenário bem diferente do encontrado em seus dois primeiros mandatos onde entre altos e baixos obteve maioria tranquila. Dessa vez, os sinais são diferentes. A extrema direita bolsonarista emergiu e conta com tropa de choque fiel e barulhenta, além disso o apetite do Centrão, que dá as cartas há anos, aumentou e muito de lá pra cá. 

A maior dificuldade de Lula será, como nos outros governos, no Senado. Se antes havia predominância do PSDB, do então PFL e setores do então PMDB refratários à sua gestão, agora a Casa Alta conta com baluartes do bolsonarismo e do lava jatismo na oposição direta ao presidente. São os casos, por exemplo, dos senadores Flávio Bolsonaro (PL-RJ), Hamilton Mourão (Republicanos – RS), Damares Alves ( Republicanos – DF) e Sérgio Moro (União – PR).

Com Arthur Lira (PP-AL) quase ungido para a presidência da Câmara e o favoritismo de Rodrigo Pacheco (PSD-MG) sobre o ex-ministro de Bolsonaro, Rogério Marinho (PL-RN), para o comando do Senado, a governabilidade do petista está assegurada. Claro que ao preço cobrado pelo presidencialismo de coalizão que a Constituição Federal de 1988 impôs, ou seja, cargos, emendas e espaços. Por outro lado, com um Congresso mais conservador e ideológico à direita, os próximos quatro anos não terão avanço em pautas caras à esquerda voltadas à costumes, liberdades individuais e demais temas polêmicos. Os projetos econômicos tendem a transitar com mais facilidade enquanto os projetos sociais que podem dar capilaridade eleitoral serão alvo de duras negociações. Mais do que nunca, Lula terá que exercer seu poder de negociação e acomodação de interesses.

Para a sociedade, tão distante e ao mesmo tempo cada vez mais acompanhando o noticiário do Planalto Central, cabe a fiscalização, o acompanhamento e a cobrança do trabalho dos parlamentares. Sem esperar mudanças bruscas, ações milagrosas e o paraíso na Terra. Caso alimente ilusões e idolatrias a decepção é certa.

Correio de Corumbá

SIGA-NOS NO Correio de Corumbá no Google News

 
 
 

Veja Também

LULA E OS DESAFIOS DA COMUNICAÇÃO EM 2023

Com pouco menos de um mês de empossados, é impossível cobrar e analisar com profundidade a gestão dos 27 governadores e do presidente Luiz Inácio Lula da Sil...

Novas filiações fazem do PSD maior bancada no Senado para o início de 2023

O PSD será o maior partido do Senado no início da nova legislatura, fato confirmado na cerimônia de posse dos novos parlamentares nesta quarta-feira (1º). A ...

Com apoio de Lula, Rodrigo Pacheco é reeleito presidente do Senado

O senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG) venceu nesta quarta-feira (1º) a eleição para presidente do Senado, derrotando o candidato bolsonarista, senador Rogério M...

BOLSONARISMO ALÉM DE BOLSONARO

O número pode variar dependendo da fonte. Há quem fale em 185 mil e quem fale em 650 mil pessoas. O fato é que o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) deu demons...