35 ℃

Gregório José

América Latina e Caribe na rota da fome

Dom, 22 Janeiro de 2023 | Fonte: Gregório José


Relatório da FAO (Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação) divulgado nesta terceira semana de janeiro sobre o nível de segurança alimentar no mundo faz aumentar os sinais de alerta para o risco desnutricional que ocorre em Países da América Latina e Caribe.

O documento aponta que a fome mundial aumentou em 2021, afetando 9,8% da população em nível global. Entre 2015 e 2021, a prevalência da fome aumentou mais na América Latina e no Caribe do que no resto do mundo.

Uma das preocupações neste documento entregue pela FAO é que a emaciação infantil pode se tornar uma condição com risco de vida causada pela ingestão insuficiente de energia e nutrientes, má absorção de energia e nutrientes e/ou doença frequente ou prolongada.

A emaciação é uma das formas mais críticas de desnutrição na primeira infância, pois está associada a um alto risco de mortalidade se os casos não forem identificados e tratados adequadamente em tempo hábil.

Outro fator que preocupa é que, nestas sub-regiões apontadas, a obesidade em maiores de 18 anos afeta afetou 24,2%, próximo aos 106 milhões de adultos. Bom lembrar que não é o Brasil, mas América Latina e caribe juntos.

Feito este recorte é bom entender que a porcentagem da população que não pode pagar por uma dieta saudável difere muito entre as sub-regiões, bem como entre os países avaliados. Grande maioria da população do Haiti (85,9 por cento) não pode pagar uma dieta saudável, e na Jamaica mais de dois terços da população (66,2 por cento) não podem pagar.

O problema é visível em Honduras onde 50% não conseguem pagar. Nicarágua (35,7%); Belize (36,4%). No México são 26,3%. Quase um quarto da população do Estado Plurinacional da Bolívia não pode pagar por uma alimentação saudável, enquanto no Brasil, Equador e Peru cerca de 20% da população não pode.

O custo de uma alimentação saudável por dia nesta avaliação é de U$ 3,89 nos países latinos e no Caribe, contra 3,54 nos países desenvolvidos. Parece pouco, mas se convertermos em ficará em R$ 20,30 contra R$ 18,47. Isso, por dia. Então é preciso rever políticas públicas alimentares o mais breve possível. Nossa gente tem fome e não é para amanhã, é para hoje!

Correio de Corumbá

SIGA-NOS NO Correio de Corumbá no Google News

 
 

Tudo Sobre

rota-da-fome
 

Veja Também

MEDICAMENTOS FALSOS AUMENTA APOROFOBIA EM PAÍSES POBRES

Estarrecedor o relatório da ONU que indica que quase 300 mil pessoas morrem na África Subsaariana por conta de medicamentos falsos e levados aos Países do bl...

FOCO, PRESSÃO E TARJA PRETA: QUANDO A SOLUÇÃO SE TORNA UM PROBLEMA

A crescente utilização de medicamentos tarja preta revela uma preocupante epidemia de excesso de prescrições, transformando o consumo de drogas controladas e...

A NECESSIDADE ATUAL DE AUTORES CLÁSSICOS NAS SALAS DE AULA

A subvalorização ou negligência de grandes escritores em salas de aula do ensino médio e, por vezes, em cursos de graduação, pode ser resultado de diversos f...

DESAFIOS EDUCACIONAIS EM MEIO À CRISE FINANCEIRA

Enfrentar o início de um novo ano no Brasil muitas vezes se torna um desafio que vai além das resoluções de Ano Novo e promessas de mudança. Uma realidade qu...

Últimas Notícias