27 ℃

Gregório José

MEDICAMENTOS FALSOS AUMENTA APOROFOBIA EM PAÍSES POBRES

Sex, 03 Fevereiro de 2023 | Fonte: Gregório José


Estarrecedor o relatório da ONU que indica que quase 300 mil pessoas morrem na África Subsaariana por conta de medicamentos falsos e levados aos Países do bloco de forma clandestina ou extraviada de empresas e indústrias.

O Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (Unodc) indicou que o tráfico de produtos médicos na região do Sahel africano acentua ainda mais a fragilidade dos meios de fiscalização, rotas alternativas às alfandegárias e ao crime de Aporofobia.

Medicamentos falsificados e aplicados aos cidadãos africanos como se fossem para o combate à malária demonstra que é preciso um controle mais rígido na comercialização e fiscalização até mesmo nas Organizações Não Governamentais que recebem estes produtos para aplicar aos pacientes.

Pilula de farinha; antibióticos de baixa qualidade e abaixo do padrão usados para tratar pneumonia grave em crianças debilitadas. Um crime contra a humanidade. Tudo em busca de lucro incessante.

Enquanto milhares de pessoas morrem, um pequeno grupo que sabe que está fazendo genocídio contra humanos carentes, com pouco (ou nenhum) estudo, que vivem à margem da sociedade e que precisam cada vez mais de ajuda humanitária.

O pior é que muitos dos produtos chegam a estes locais como forma de doação por Ong’s que fazem campanhas, arrecadam recursos e “compram” a preços baixos medicamentos sem eficácia alguma.

Marginais tem uma certa predisposição moral e política que rechaça o pobre, que o exclui do convívio de ambientes nos quais outras pessoas estão e, assim, tornam os carentes cada vez mais dependentes. Sejam pela região pobre e sem infraestrutura alguma, seja porque os políticos se corrompem nestas aquisições de produtos sem comprovação de fabricação ou adquiridos por furtos e roubos nos locais de fabricação.

O relatório ainda aponta que fatores como acesso limitado a produtos de qualidade, seguros, produtos médicos eficazes e acessíveis, corrupção entre agentes da lei e oficiais alfandegários e uma falta dos controles de fronteira contribuíram para a criação de um ambiente propício ao tráfico dentro e fora os países do Sahel: Burkina Faso, Chade, Mali, Mauritânia e o Níger.

É preciso um controle mais rígido na distribuição de medicamos, na divulgação de extravios e roubos e na recepção por parte destes países em que a população está em risco e fragilidade.

Correio de Corumbá

SIGA-NOS NO Correio de Corumbá no Google News

 
 
 

Veja Também

América Latina e Caribe na rota da fome

Relatório da FAO (Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação) divulgado nesta terceira semana de janeiro sobre o nível de segurança alime...

DESAFIOS EDUCACIONAIS EM MEIO À CRISE FINANCEIRA

Enfrentar o início de um novo ano no Brasil muitas vezes se torna um desafio que vai além das resoluções de Ano Novo e promessas de mudança. Uma realidade qu...

O RISCO DOS “BRINQUEDOS ASSASSINOS”

Informações alarmantes sobre a segurança das crianças no Brasil, com foco nos acidentes que são a principal causa de morte de crianças de 1 a 14 anos no país...

IMPLANTE CEREBRAL E O FUTURO DA HUMANIDADE

O anúncio do primeiro implante do chip Neuralink em um humano, desenvolvido pela empresa de Elon Musk, representa um avanço significativo na interface entre ...

Últimas Notícias