18 ℃

Geral

Na ONU, Brasil defende Palestina como Estado ‘soberano e independente’

Citando o presidente Lula, chanceler brasileiro afirmou que “não há mais desculpas para impedir o Estado da Palestina de se juntar à ONU”.

Qui, 18 Abril de 2024 | Fonte: Tiago Pereira, da RBA


O ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, afirmou nesta quinta-feira (18) que “chegou a hora de a comunidade internacional finalmente receber o Estado da Palestina plenamente soberano e independente”. Em reunião do Conselho de Segurança da ONU, ele cobrou o estabelecimento de um cessar-fogo em Gaza e, citando o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, disse que “não há mais desculpas para impedir o Estado da Palestina de se juntar à ONU como membro pleno”.

Por iniciativa da Argélia, o Conselho de Segurança debate a admissão da Palestina às Nações Unidas. O órgão deve votar a adesão dos palestinos como membros efetivos da comunidade internacional nesta sexta-feira (19). Há o temor, no entanto, que os Estados Unidos acabem vetando a proposta.

Ainda assim, o Brasil reafirmou seu “apoio inabalável” à Palestina em sua luta por reconhecimento internacional. Nesse sentido, o chanceler Mauro Vieira reafirmou a postura brasileira pela “solução de dois Estados” como caminho para a construção da paz entre israelenses e palestinos.

“Os últimos eventos no Oriente Médio são mais um testemunho do fato de que uma solução duradoura e sustentável para a Questão Palestina não é apenas um imperativo moral. Trata-se de pré-requisito estratégico para a estabilidade regional e global. A paz e a estabilidade no Oriente Médio só podem ser alcançadas quando as aspirações legítimas do povo palestino pela autodeterminação e soberania forem atendidas”, disse Vieira.

A Palestina aguarda resposta de sua candidatura para aderir à ONU desde 2011. Atualmente, os palestinos possuem status de “observador”, sem direito à voto na organização. Mauro Vieira citou que, assim como o Brasil, 139 países já reconhecem a Palestina como Estado. Além disso, a nação palestina já atua como membro pleno em diversas organizações, como a Unicef e a Liga dos Estados Árabes, por exemplo.

Guerra generalizada “não é do interesse de ninguém”

No discurso, Vieira ressaltou que a comunidade internacional deve confrontar a escalada da violência em Gaza. E também deve combater a catástrofe humanitária que assola a região. Disse que, durante o final de semana, quando o Irã contra-atacou Israel, o mundo testemunhava “com inquietação” a possibilidade “concreta” do alastramento do conflito no Oriente Médio. Nesse sentido, afirmou que uma guerra regional generalizada e catastrófica “não interessa a ninguém”.

Ao mesmo tempo, voltou a condenar os “ataques terroristas” do Hamas em 7 de outubro. Por outro lado, disse que, desde então, o mundo assiste “à destruição sem precedentes de quase toda a região de Gaza em um período muito curto de tempo”. Destacou que os ataques israelenses atingiram “de escolas a hospitais, de mesquitas e igrejas a cemitérios, de abrigos a comboios de ajuda”.

Citou o “número desproporcional de vítimas civis em Gaza“, que hoje totaliza mais de 33.000 pessoas, incluindo 14.500 crianças. E destacou que o restante da população palestina na região sofre com nível de insegurança alimentar nunca antes visto. Além do deslocamento forçado de 2,2 milhões de pessoas.

Nesse sentido, disse que o Conselho de Segurança tem a obrigação “moral e legal” de deter o derramamento de sangue. Para ele, a palavra-chave é “desescalada”. E clamou por um cessar-fogo “imediato”.

“Um compromisso credível com a desescalada exige o fim imediato das hostilidades em Gaza, a libertação incondicional de reféns, ajuda humanitária sustentável aos habitantes de Gaza e ações que promovam o diálogo – e não mais confronto”.

Correio de Corumbá

SIGA-NOS NO Correio de Corumbá no Google News

 
 
 

Veja Também

Itamaraty repudia ataque de Israel à fila de comida em Gaza e inação internacional: ‘Velado incentivo’

O ataque de Israel contra uma multidão de palestinos que tentava receber comida, ontem (29), em Gaza, voltou a mostrar que a ação militar do governo de Benja...

Israel bloqueia ajuda humanitária brasileira que seria entregue a palestinos, confirma Planalto

O Palácio do Planalto confirmou ao Brasil de Fato na noite desta terça-feira (5) que a ajuda humanitária enviada pelo governo brasileiro aos palestinos foi b...

Das 63 palestinas que Israel mata por dia em Gaza, 37 são mães, diz ONU

O massacre israelense na Faixa de Gaza vem matando em média 63 mulheres por dia. Destas, 37 eram mães e deixaram filhos órfãos, afirmou a  Agência das Nações...

Depois de vetar três resoluções, EUA pedem na ONU trégua imediata dos ataques de Israel em Gaza

Os Estados Unidos apresentaram projeto de resolução ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) pedindo “cessar-fogo imediato” dos bombar...