28 ℃

Política

GT aponta que agressão verbal contra senadora em programa de rádio pode configurar violência política de gênero

Soraya Thronicke (União-MS) foi agredida durante entrevista ao vivo, por sua atuação como parlamentar e condição de mulher.

Ter, 21 Março de 2023 | Fonte: Secretaria de Comunicação Social PGR


Agressões verbais contra candidatas ou detentoras de mandato eletivo, que menosprezam ou discriminam a condição de mulher, com o intuito de constrangê-las ou ameaçá-las podem configurar violência política de gênero. O Grupo de Trabalho (GT) do Ministério Público Eleitoral, que busca combater e prevenir práticas violentas contra a mulher no meio político, alerta que a conduta é considerada crime pela Lei 14.192/2021 com penas que variam de 1 a 4 anos de prisão, além de multa. 

Thronicke informou que registrou a ocorrência na delegacia da Polícia Federal em Campo Grande (MS), por crime de honra, assim que saiu da emissora. Embora o caso esteja sendo investigado pela polícia, o Grupo de Trabalho entende que cabe análise pelo Ministério Público Eleitoral, em razão do novo dispositivo do Código Eleitoral que considera crime a prática de violência política contra a mulher. 

Durante entrevista ao vivo à Rádio Capital FM, na última sexta-feira (17), a parlamentar foi ofendida por um ouvinte que não se identificou. No áudio, o homem chamou a senadora de "traidora da pátria" e "piranha traíra". 

Thronicke informou que registrou a ocorrência na delegacia da Polícia Federal em Campo Grande (MS), por crime de honra, assim que saiu da emissora. Embora o caso esteja sendo investigado pela polícia, o Grupo de Trabalho entende que cabe análise pelo Ministério Público Eleitoral, em razão do novo dispositivo do Código Eleitoral que considera crime a prática de violência política contra a mulher. 

O artigo 326-B - inserido pela Lei 14.192/2021 - tipificou como crime atitudes que buscam assediar, constranger, humilhar, perseguir ou ameaçar candidatas ou mulheres eleitas, com a finalidade de impedir ou de dificultar a campanha ou o desempenho do mandato. As penas podem ser aumentadas de um terço à metade se a agressão for pela internet ou transmitida em tempo real. 

Cartilha lançada no ano passado pelo Ministério Público Federal (MPF) mostra que não é preciso haver agressão física para que a violência política de gênero seja considerada crime. A violência pode gerar impactos psicológicos ou, ainda, ter características econômicas ou simbólicas, como a falta de financiamento em campanhas políticas ou tentativas de calar, ridicularizar ou minimizar causas defendidas pelas mulheres. Acesse a publicação. 

Correio de Corumbá

SIGA-NOS NO Correio de Corumbá no Google News

 
 
 

Veja Também

Soraya Thronicke registra boletim após ser xingada em entrevista ao vivo

A senadora Soraya Thronicke (União-MS) registrou um boletim de ocorrência na Polícia Federal (PF) de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, após ser vítima de ...

Com emendas da bancada, Soraya Thronicke já destinou mais de R$ 3 bi ao Mato Grosso do Sul

O orçamento do Mato Grosso do Sul tem sido, com a ajuda da senadora Soraya Thronicke (Podemos-MS). Em quatro anos de mandato, a parlamentar já indicou mais d...