22 ℃

Ahmad Schabib Hany

PADRE ERNESTO SAKSIDA, DEZ ANOS DE ETERNIZAÇÃO

Dom, 12 Março de 2023 | Fonte: Ahmad Schabib Hany


PADRE ERNESTO SAKSIDA, DEZ ANOS DE ETERNIZAÇÃO

Missionário salesiano que chegou bem jovem ao coração do Pantanal e da América do Sul, Padre Ernesto Saksida se eternizou há 10 anos, depois de ver consolidada sua obra social pioneira e de ter criado dezenas de entidades de empoderamento popular. Com a eternização do Padre Pasquale Forin, há dois anos, e do Padre Osvaldo Scotti, há um mês, que conheceram a fundo a magnitude dessa obra, cabe não só à Missão Salesiana de Mato Grosso, mas à sociedade civil corumbaense, a perenização de um projeto interdisciplinar à frente de seu tempo que não pode ter o mesmo fim do vanguardista CENIC. 

Nesta segunda-feira, dia 13 de março, transcorre o décimo aniversário da eternização do querido e saudoso Padre Ernesto Saksida. Um ser humano à frente de seu tempo, Padre Ernesto dedicou todo o tempo em que foi acolhido pelo hospitaleiro (e incompreendido) povo corumbaense/ladarense a retribuir por tudo que ocorrera em sua Vida missionária bem longe de sua Eslovênia e de todos os seus. 

PADRE ERNESTO SAKSIDA, DEZ ANOS DE ETERNIZAÇÃO

Sempre que possível o Padre Ernesto dizia ter-se encantado desde sua chegada com a exuberância do Pantanal Mato-grossense, mas não conseguia entender como uma região de tanta abundância pudesse conviver com tamanha exclusão social, razão pela qual, após longo e profundo diálogo com os membros da pioneira União dos Ex-alunos de Dom Bosco (UEDB) -- entre eles os saudosos Seu Jorge José Katurchi e Doutor Salomão Baruki, além de Seu João Gonçalves Miguéis, que participaram também desde o início da fundação, cinquenta anos depois, do CENPER --, optara por permanecer em Corumbá e criar uma ousada ação assistencial, inicialmente denominada Legião Mato-grossense dos Amigos da Criança, a pioneira LEMAC. 

O amor como método de educação acolhedora e transformadora. Ainda que se tratasse de jovem missionário (chegara a Corumbá em meados da década de 1930), era membro de uma Congregação que priorizava a Educação, e o Sistema Preventivo de Dom Bosco, base do método salesiano, tinha como tríade a formação cidadã com base nas artes, cultura e esportes, a alimentação dos educandos e a devoção religiosa. Resumindo, um método interdisciplinar, com base na Educação, Cultura, Artes, Esportes, Assistência Social, Segurança Alimentar, Saúde, Formação para o Trabalho, Cidadania e Inclusão Social. 

Imagine tudo isso na primeira metade do século XX (embora na Europa os salesianos já o aplicassem em fins do século XIX, mesma época em que o Papa Leão XIII instituiu a Rerum Novarum -- ‘Das Coisas Novas’ --, a encíclica pioneira que reconhece direitos da classe trabalhadora, dá as bases do Serviço Social e define regras para aquilo que desde então a Igreja Católica passa a chamar de Mundo do Trabalho, ou Opera Mundi) e na distante Corumbá ainda não tivessem chegado as inovadoras propostas do Professor Anísio Teixeira e o escolanovismo laicista (Educação laica de tempo integral), que preocupavam os educadores católicos, inclusive o Professor Paulo Freire, que até então era opositor do pensamento de Anísio Teixeira apenas por causa do laicismo. 

PADRE ERNESTO SAKSIDA, DEZ ANOS DE ETERNIZAÇÃO

O Padre Ernesto, que nunca foi comunista (ao contrário, embora cordial e educado, dizia que a União Soviética, tanto quanto o fascismo de Benito Mussolini, perseguira adversários seus), questionava a falta de empatia das classes bem aquinhoadas do Brasil: não foram poucos os desabafos pela insensibilidade social dos ricos, à exceção de seus leais Amigos, que sempre apoiaram a Cidade Dom Bosco. Mas precisou recorrer ao apadrinhamento à distância (criação dele) para que sobrevivesse a obra social que acolheu e formou dezenas de milhares de crianças, adolescentes e jovens e fortaleceu vínculos afetivos e materiais de milhares de famílias durante anos. 

Contava, decepcionado, que suas viagens a São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília -- inclusive em inusitadas participações em programas como de Hebe Camargo e congêneres -- foram frustrantes, em razão dos resultados pífios dessas verdadeiras aventuras, em que ele se sentia bizarro, ora tendo que levar animais silvestres do Pantanal ou tendo que participar de desafios inusitados, tudo para dar audiência ao programa televisivo. Suas inúmeras tentativas de apoio por empresários do eixo Rio-São Paulo nunca deram em nada, daí por que precisou viajar à Europa e aos Estados Unidos para criar a rede de financiamento de seu projeto pioneiro e transformador. 

Mas um dia, finalmente, sua ousadia começou a triunfar, com o fundamental apoio da Operação Mato Grosso, constituída por voluntários católicos da Itália (muitos dos quais ficaram em Corumbá) que, em fins da década de 1960, construíram o edifício principal do educandário e do espaço assistencial da Cidade Dom Bosco. E graças à sua desenvoltura e capacidade de convivência com todas as ideologias, religiões e correntes políticas, ergueu sólidas parcerias com os ex-governadores Pedro Pedrossian, José Fragelli, Wilson Martins, Marcelo Miranda, Zeca do PT e André Puccinelli, bem como todos os prefeitos de Corumbá e de Ladário, sempre de maneira republicana e com altivez e o devido distanciamento. 

Da mesma forma, relacionava-se com respeito, cordialidade e irmãmente com os membros de sua Congregação. Se num primeiro momento ele pareceu rebelde, a maturidade o levou a uma aproximação fecunda com seus Irmãos Salesianos, e, a despeito da personalidade diferente dos igualmente queridos e saudosos Padre Pasquale Forin e Padre Osvaldo Scotti, além de contribuírem efetivamente para o fortalecimento da Cidade Dom Bosco, quando estiveram na direção da entidade, souberam potencializar suas atividades e rearticular os padrinhos, tanto na Europa como nos Estados Unidos. 

PADRE ERNESTO SAKSIDA, DEZ ANOS DE ETERNIZAÇÃO

Decorridos 10 anos da ausência física do Padre Ernesto, a Cidade Dom Bosco dá provas sobejas de sua solidez e eficiência no cumprimento de suas metas. Diferentemente do hoje saudoso (e outrora vanguardista) Centro de Ensino Imaculada Conceição (CENIC), cujas atividades foram encerradas por decisão das Irmãs Salesianas na antevéspera de celebrar 100 anos de fundação em Corumbá, a Cidade Dom Bosco é um educandário cujas atividades estão vinculadas à coletividade corumbaense, tanto que o CENPER (Centro Padre Ernesto de Promoção Humana e Ambiental), o Clube dos Amigos do Padre Ernesto (CAMPE) e a União dos Ex-alunos da Cidade Dom Bosco (UECDB), de cuja formatação tive a honra coordenar em parceria com os saudosos Padre Ernesto, Padre Pasquale e Padre Osvaldo, são a tríade de uma retroalimentação cidadã efetiva e salutar. 

Com pioneirismo e sabedoria, o Padre Ernesto Saksida, sempre ao lado de pessoas da coletividade corumbaense (e que nunca fez diferença de classe social, origem, religião, ideologia, nacionalidade ou corrente política), disseminou a ideia-motriz de que o amor, em seu sentido mais amplo, é a base da evolução da sociedade, e cabe a ele alinhavar as diferentes áreas do conhecimento, da ciência e das atividades humanas para construir a sociedade fraterna e solidária de que a Humanidade clama, a Natureza ensina e o Planeta exige, sobretudo nestes tempos de mudanças climáticas e adversidades extremas.

 

Correio de Corumbá

SIGA-NOS NO Correio de Corumbá no Google News

 
 
 

Veja Também

Com mais de 300 atendidos, PCAF, da Cidade Dom Bosco, inicia as atividades de 2023

Atividades de acolhida, momentos de interação, jogos, brincadeiras, momentos reflexivos e partilha. Assim foram os primeiros dias de atividades do PCAF (Prog...

ATÉ SEMPRE, PROFESSORA VERA ABRÃO!

Companheira do saudoso Professor José Carlos Abrão, a Professora Vera Lúcia Santos Abrão, também pioneira do então Centro Pedagógico de Corumbá, eternizou-se...

Últimas Notícias