21 ℃

Polícia

Quase 1.000 pessoas já foram libertadas de trabalho análogo à escravidão este ano: são mais de 11 resgates por dia

O Ministério do Trabalho e Emprego, por meio da Secretaria de Inspeção do Trabalho, atualizou os resultados das operações. A tendência é que o número de libertações seja recorde este ano. Ministro anuncia possibilidade de mudanças na legislação trabalhista.

Seg, 27 Março de 2023 | Fonte: Agência Brasil


Quase 1.000 pessoas já foram libertadas de trabalho análogo à escravidão este ano: são mais de 11 resgates por dia
Cinco homens em trabalho degradante durante a cheia no Pantanal, foram resgatados na região do Paiaguás, na primeira quinzena de março - Foto: Divulgação/MPT-MS

O ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, propôs um acordo de cooperação entre o governo federal e estadual, além do Ministério Público do Trabalho e empresários, para implantar ações de combate ao trabalho degradante no país. O grupo tripartite — com representantes de empresas, empregados e governo — poderá sugerir, inclusive, eventuais revisões na legislação.

“O projeto de terceirização ficou bastante amplo, me parece que acabou criando confusão inclusive no ato de contratar, o que pode e o que não pode. Acabou chegando ao absurdo da lógica de ter um elo da produção praticando trabalho análogo a escravidão”, afirmou o ministro. A proposta aconteceu em reunião de Luiz Marinho com o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, deputados estaduais e representações da sociedade civil na terça-feira (21/3), no Palácio Piratini, para tratar do enfrentamento ao trabalho análogo à escravidão, e é uma resposta aos altos índices de resgatados observado este ano.

NÚMEROS ALARMANTES - Desde o início do ano, 926 pessoas já foram resgatadas em trabalho análogo à escravidão, segundo última apuração da SIT/MTE. E não são apenas números, são vidas destruídas pela falta de perspectiva e ausência de direitos básicos.

Os dados são do Ministério do Trabalho e Emprego, que informa que este total pode mudar, já que as apurações sobre as operações de resgate ainda estão em curso. Os dados consolidados, incluindo recortes de gênero, raça, idade e localidade das pessoas resgatadas, serão apresentados no Radar da SIT (Secretaria de Inspeção de Trabalho) a partir de 1º de maio.

Embora este seja um problema sistêmico, o país acompanhou com espanto o resgate de 207 trabalhadores em situação de escravidão moderna, aliciados para trabalho em empresas terceirizadas ligadas a vinícolas na serra gaúcha. A ação, realizada há um mês pela Polícia Rodoviária Federal e Ministério do Trabalho, revelou que os resgatados sofriam atrasos nos pagamentos dos salários, violência física, longas jornadas de trabalho e oferta de alimentos estragados. Além disso, eram coagidos a permanecer no local sob a pena de pagamento de uma multa por quebra do contrato.

Dias depois, outra ação similar no estado, dessa vez em plantações de arroz em Uruguaiana, resgatou mais 85 trabalhadores. O Rio Grande do Sul é o segundo estado com mais ocorrências deste tipo no país: 293 resgates este ano, ficando atrás apenas de Goiás, com 365.

A LEI É PARA TODOS - No encontro da terça-feira, o ministro Luiz Marinho afirmou: “A precarização promovida pela ampliação da terceirização pode ter contribuído, criando uma falsa ideia de que tudo é permitido. Precisamos, talvez, de uma revisão nas regras. Acredito que possamos, conjuntamente, promover um entendimento junto aos empregadores de conscientização, para que essa situação não se repita e que possamos ampliar esse entendimento para todos os outros estados”.

O ministro afirmou, ainda, que é preciso juntar esforços para dar um fim à “chaga” do trabalho análogo à escravidão no Brasil com responsabilização e sensibilização: “Empresas que terceirizam, e cujas terceirizadas promovam o trabalho degradante, serão autuadas e responsabilizadas, mas não queremos apenas punir. Precisamos lançar um movimento de conscientização e o apoio dos governos estaduais pode tornar possível promovermos a erradicação do trabalho análogo ao de escravo”.

O combate à escravidão moderna prosseguirá. Mas já é notório que o aumento de operações realizadas pelo MTE este ano resultou em muito mais trabalhadores libertados. O tipo de atividade econômica exercida também influencia no total, como ocorreu no caso das centenas de resgatados de escravidão moderna nas colheitas do Rio Grande do Sul.

Correio de Corumbá

SIGA-NOS NO Correio de Corumbá no Google News